Pesquisar neste site

domingo, 20 de março de 2022

Conheça sua coluna vertebral - Nova Iguaçu - RJ



A coluna vertebral, também chamada de espinha dorsal, estende-se do crânio até a pelve. Ela é responsável por dois quintos do peso corporal total e é composta por tecido conjuntivo e por uma série de ossos, chamados vértebras, as quais estão sobrepostas em forma de uma coluna, daí o termo coluna vertebral. Os discos intervertebrais tem a função de conferir flexibilidade além de servir como amortecedor de impactos.

Toda a estrutura pode ser dividida em 5 regiões distintas:
  • Coluna cervical, na região do pescoço, compreende sete vértebras;
  • Coluna torácica, na região do tronco, possui o maior número de ossos. Ao todo são 12 vértebras;
  • Coluna lombar, na região da cintura, compreende cinco vértebras;
  • Sacro, na região inferior da coluna responsável para a conexão da coluna com a pelve.
  • Cóccix, que corresponde ao resquício da calda do homem.
As costelas e o osso esterno, localizado na parte anterior do tórax, também são interligados diretamente com a coluna vertebral, mais especificamente com a coluna torácica.

Quando olhamos de frente ou de trás ela deve ser retilínea. Entretanto, se for analisada de perfil, nota-se que a coluna vertebral possui quatro curvaturas.

A região cervical e a lombar possuem curvas convexas, conhecidas também como lordoses. Já as regiões torácica, sacro e cóccix contam com uma curvatura côncava, chamada de cifose. A postura da pessoa pode ser afetada, caso uma dessas curvas estejam acentuadas. Para essa condição dá se o nome de hipercifose (torácica, sacro e cóccix) ou hiperlordose (cervical e lombar).

Para que serve?

A coluna vertebral possui várias funções. Para começar ela é primordial para a sustentação, já que suporta todo o peso do corpo. Ela também concede um papel fundamental para a postura, locomoção, flexibilidade de movimentos. Se não bastassem todas essas serventias, a coluna vertebral é imprescindível para a condução da medula espinhal, responsável pelos impulsos nervosos que regem o corpo humano. De formato cilíndrico, a medula passa internamente pelo canal vertebral, que a protege de traumas e compressões. Se estende a partir do crânio, logo abaixo do bulbo, até a primeira ou segunda vértebra lombar. No interim desse percurso, por meio de orifícios entre uma vértebra e outra, a medula espinhal se ramifica em 31 nervos responsáveis pelos movimentos musculares.

Como ela é dividida?

Como citado anteriormente, a coluna vertebral se divide em cinco regiões distintas: coluna cervical, coluna torácica, coluna lombar, sacro e o cóccix.

A primeira encontrada em sua parte superior é a coluna cervical, localizada no pescoço. Conta com sete vértebras e, de forma exclusiva, é o único segmento que não conta com um disco fibroso interposto entre duas delas. No caso, a primeira e a segunda cervical não possuem um disco intervertebral. Essa é a região mais flexível da coluna vertebral, já que é a responsável direta pelos movimentos da cabeça.

A seguir vem o segmento torácico, localizado na parte posterior do tórax. É o que possui mais vértebras, composto por 12 ossos no geral. Esse segmento se interliga com a caixa torácica, seus 12 pares de costelas, mais o osso esterno localizado na face anterior do peito.

A terceira região vertebral é a coluna lombar, composta por cinco vértebras. Esse é o segmento que recebe maior carga e, não por menos, a região com maior incidência de lesões responsáveis pela dor na coluna.

E, por fim, as regiões sacrococcígeas formadas pelos ossos do sacro e do cóccix. O primeiro interliga-se com os ossos da bacia, sendo assim fundamental para a postura e posicionamento angular da coluna. Já o cóccix é o osso localizado na extremidade inferior da coluna que se articula com o sacro.

Discos intervertebrais

Presente entre quase todos os corpos vertebrais adjacentes (com exceção da primeira e segunda vértebra na coluna cervical), os discos intervertebrais são as partes da coluna que mais recebem carga. Sua função na estrutura vertebral é promover os movimentos da coluna, bem como absorver impactos. Não é por menos que essa estrutura é comumente apresenta alterações, como: a hérnia de disco e a protrusão discal. Ambas as condições, adquiridas por degeneração ou excesso de sobrecargas, podendo ocasionar dor na coluna.

Cada disco interliga-se com as vértebras por meio de placas terminais, e são compostos essencialmente por um anel fibroso e um núcleo pulposo. O primeiro é uma estrutura formada por um tecido fibrocartilaginoso que reveste o núcleo mais central. Esse último é um gel semifluido que compreende até 60% de toda extensão do disco. O núcleo pulposo é essencial para a movimentação da coluna vertebral. Porém, por vezes, ele pode comprimir o anel fibroso que o reveste. A saliência criada por esse deslocamento é conhecida como protrusão discal. Já a hérnia de disco compreende o rompimento desse anel e a saída do núcleo pulposo que, entre outras coisas, pode ocasionar a famosa e cruel dor ciática.


quarta-feira, 2 de fevereiro de 2022

Conheça a laserterapia - Nova Iguaçu - RJ



Você já deve ter ouvido falar em LASER, mas você sabia que as suas aplicações vão além do que você imagina? Amplamente utilizado na ciência, tecnologia, medicina, odontologia e estética, o uso do laser na fisioterapia ainda é desconhecido por grande parte da população.

Os lasers podem ser classificados em dois grandes grupos:

  • os lasers cirúrgicos de alta intensidade
  • lasers não-cirúrgicos de baixa intensidade, os quais são utilizados na fisioterapia.

Deste modo, a laserterapia de baixa intensidade é a aplicação de luz vermelha ou infravermelha sobre tecidos, com o objetivo de modular o processo inflamatório, proporcionar analgesia frente à dor aguda e crônica, acelerar a cicatrização de feridas e tecidos moles e promover a redução do tempo de recuperação muscular após o exercício. Além disto, destaca-se o fato de que a sua aplicação é indolor e atérmica.

Indicações


  • Tendinite, bursite e epicondilite;
  • Síndrome do túnel do carpo;
  • Entorse;
  • Lesão muscular;
  • Osteoartrite;
  • Fibromialgia;
  • Dor pós-operatória;
  • Dor neuropática;
  • Pós-operatório de hérnia discal;
  • Lesões articulares (ombro, joelho, etc);
  • Dores na coluna (cervicalgia, lombalgia);
  • Disfunção da articulação temporomandibular (ATM).

Assim como outros recursos utilizados na fisioterapia, a duração e a frequência de tratamento com a laserterapia de baixa intensidade são variáveis. É necessário uma avaliação do paciente, bem como do quadro clínico atual, para que assim possa ser traçado um plano de tratamento personalizado.


segunda-feira, 24 de janeiro de 2022

Fisioterapia para idosos: Conheça as melhores técnicas - Nova Iguaçu - RJ




A Fisioterapia para idosos é realizada na maioria das vezes com o foco em na reabilitação e auxílio ao paciente para que ele consiga ter uma boa qualidade de vida na sua idade, melhorar a locomoção, a disposição para atividades física e principalmente reduzir ou até mesmo evitar a incidência de problemas de saúde ligados ao corpo e aos movimentos.
Atualmente, com o aumento do número de idosos, pelo fato de que as pessoas estão conseguindo chegar a idades mais avançadas, a Fisioterapia para idosos está em maior evidência, principalmente em prol da melhora na qualidade de vida no avanço da idade.

Quais são as técnicas utilizadas na Fisioterapia aplicada aos idosos?


Os exercícios na Fisioterapia que promovam aumento na força e equilíbrio são indispensáveis para melhorar a qualidade de vida dos mais velhos. A reabilitação deve ser programada com o intuito de atender a todas as necessidades individuais, sendo que deve ser mantido de forma regular, para que seja possível acompanhar os resultados alcançados.

A fisioterapia pode utilizar várias técnicas para auxiliar na melhora da qualidade de vida do idoso:


  • Eletroterapia
  • Hidroterapia
  • Pilates
  • Cinesioterapia
  • Termoterapia
  • Terapia Manual


Onde realizar domiciliar ou no consultório?


Essa questão divide opiniões, porque algumas pessoas acreditam que o ideal é que o idoso se desloque até a clínica de fisioterapia, pois assim além da realização das sessões, o idoso também interage com outras pessoas promovendo uma melhora na integração social que diminui na terceira idade.
Mas dependendo do estado físico do idoso, e não consiga realizar o deslocamento até a clínica, o ideal e que este atendimento seja realizado em domicílio para que o idoso possa se beneficiar da fisioterapia em sua casa que é o mais importante.
Desta forma a fisioterapia vai ajudar a amenizar os sintomas negativos, melhorar a qualidade e prolongar a vida dos idosos que precisam receber atenção e os cuidados necessários.


Postagens mais visitadas